facebook_pixel

por Michele Bravos
(Texto publicado originalmente na Gazeta do Povo)

E se eles fossem vistos como vencedores o ano todo? Durante as semanas de Olimpíada, dez nomes ganharam espaço na mídia e nas conversas corriqueiras: Rami, Yusra, Yiech, James, Yonas, Angelina, Rose, Paulo, Yolande e Popole. O Time de Refugiados – o primeiro da história das Olimpíadas – pode não ter conquistado nenhuma medalha, mas conquistou a admiração e o respeito de milhares no mundo. (Dois atletas do Kuwait, país suspenso dos Jogos, conquistaram um ouro e um bronze competindo sob a bandeira de “atletas olímpicos individuais”, a mesma categoria dos dez refugiados.)

No começo deste ano, estive na Jordânia servindo em uma base humanitária de apoio a refugiados sírios e iraquianos. Lá, conheci a Naz. Ela é iraquiana, tem 19 anos, ama ver séries. Uma menina comum, como tantas outras, tirando o fato de que teve que interromper os estudos de Medicina na Universidade de Mosul, devido ao aumento dos conflitos na região, e há dois anos é considerada refugiada na Jordânia. A primeira vez que conversei com ela, não houve esboço de simpatia. Houve um desabafo e um pedido: “Estou cansada de ser vista como a coitada. Eu não quero que tenham pena de mim, nem ser lembrada como uma pobre menina refugiada”.

No período da Olímpiada do Rio, cada um dos refugiados competidores foi visto para além desse rótulo. Eles foram vistos como indivíduos, com rostos, histórias, aptidões únicas.

Já virou costume se referir a essa população no plural: os refugiados. Mas, é preciso cuidar. Nesse caso, o tratamento constante no coletivo não gera unidade, identidade. Pelo contrário, anula. Cada homem, mulher que se encontra nessa condição possui uma identidade ligada a seu território de origem, ao ambiente familiar em que cresceu, à língua em que se expressa. Há particularidades “nos refugiados” e elas precisam ser vistas.

A verdade é que esse título reflete uma condição de estar e não de ser. Estar refugiado é apenas uma parte pequena e mutável de um todo, que foi imposta pela circunstância da nação onde eles nasceram e estavam vivendo.

Tratá-los como números potencializa essa massificação. São 65 milhões de deslocados no mundo, entre refugiados, solicitantes de refúgio e deslocados internos, como mostra recente relatório da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR). As estatísticas são, sim, críticas e devem ser analisadas. Mas, só enxergar números nos distancia de cada um dos milhões, não há um olhar humano para essa realidade. Pessoas não se conectam com números. Pessoas se conectam com pessoas. Por isso, é preciso olhar para os seres humanos que correspondem a essas estatísticas, para, então, decodificar os numerais, refletir sobre eles e pensar em ações que irão transformar a realidade.

Ao ver Yusra nadar, Popole lutar, o mundo viu vida! Foi como se cada movimento, cada gota de suor nos conduzisse para a trajetória individual desses atletas. Lado a lado ou no embate cara a cara com outros competidores, o time de refugiados conseguiu fazer com que o olhar do público transcendesse os estereótipos. Tenho certeza que você não olhou para Yusra como uma “pobre menina” ao vê-la dando braçadas com garra naquela piscina. Nem tampouco ralhou que lugar de preto estrangeiro não era ali, quando Popole venceu sua luta de estreia. Tenho certeza que você vibrou com eles. O mundo os viu como vencedores, independente do pódio ou da condição de refúgio.

Quando a Naz pede para que não tenhamos pena dela, ela está nos convocando para não termos pena de nenhum refugiado. É porque, de fato, pena não move o mundo, não revela mais humanidade, não afirma identidade, não promove dignidade e igualdade. É preciso mais nobreza de coração para dar passos em direção ao outro, na busca por uma aproximação que gere identificação e possibilidades de novas percepções e atitudes. Opto pelo amor! Pelas lentes desse sentimento, encontra-se o valor do outro.

Da mesma forma que a chama olímpica não se apaga e não se apagará com o fim dos Jogos de 2016, que o olhar despertado no grande público, pelos dez atletas refugiados, sobre as pessoas que se encontram nessa condição, perdure. É possível olhar para as pessoas refugiadas e ver vencedores.

Ainda esses dias, recebi a notícia de que a Naz conseguiu a cidadania canadense e já migrou para lá, onde dará continuidade aos estudos. Sim, Naz, você não precisa da nossa pena. Você merece nossos aplausos.

Michele Bravos é jornalista e fotógrafa, com produções focadas na valorização do ser humano e na promoção dos seus direitos. Atualmente é mestranda em Direitos Humanos e Políticas Públicas, pela PUCPR.

(imagem: UNHCR)

Este post tem um comentário

  1. parabéns aos aos atletas que não se deixaram levar por sentimentos de fracasso ou tristeza pela presente situação e que não se sentiram diminuídos. São verdadeiros campeões. Parabéns pela excelente visão e comentário da Michelle Bravos. Bravo!!!!

Deixe uma resposta

Fechar Menu

Receba nossa newsletter

Cadastre-se e receba nossas notícias e as atualizações das nossas bases.

You have Successfully Subscribed!

×

 

EM BREVE – MAIS INFORMAÇÕES

No Brasil, de forma geral, muitos têm notado um grande distanciamento entre a presença da igreja e a transformação do contexto. Por exemplo, algumas das cidades mais violentas são justamente as que registram maior presença evangélica. Por que isso acontece? Aprendemos algo errado? Temos concentrado nossas ações de maneira correta? A proclamação do nome de Cristo na cidade não deveria ter sido suficiente? Será que trata-se tão somente de batalha espiritual?

Na humilde tentativa de responder algumas dessas perguntas, a equipe da MAIS elaborou o workshop TEU REINO VEM: A IGREJA TRANSFORMANDO A CIDADE. Deus nos tem dado experiência de campo em diversos contextos urbanos do mundo. Ele também nos tem dado grande trânsito junto à igreja brasileira nos últimos 7 anos. Ao perceber isso, notamos que poderíamos reunir elementos bíblicos e práticos em um curso de impacto que pudesse ser ministrado em poucas horas. Cremos que nossa pequena contribuição somará muito na proposta de resgatar a relevância da igreja na nação.

Temos ministrado outros workshops dentro e fora do Brasil. No entanto, este novo workshop não consiste na continuação de qualquer outro, podendo ser ministrado mesmo que sua igreja não tenha hospedado nenhum de nossos projetos anteriores.

Preencha o nosso formulário, e vamos trabalhar juntos para que o Reino venha, de forma que nossas cidades nunca mais sejam as mesmas. E que de Deus, somente de Deus, seja toda a glória por isso!

Tópicos Abordados

Parte 1 – Teu Reino Vem: Perspectivas Bíblicas

  • Definindo o Reino segundo a Bíblia e na perspectiva de Jesus
  • Qual a participação humana no processo?
  • Que tipos de oposição precisamos esperar?

Parte 2 – A Discrepante presença da igreja

  • O Reino tem chegado nas cidades do Brasil? Alguns dados preocupantes
  • Razões do distanciamento entre a presença da igreja e a transformação da cidade

Parte 3 – O que acontece quando o Reino vem?

  • Três marcas do Reino na Cidade

Parte 4 – Missão Transformacional e Desenvolvimento Comunitário

  • Desenvolvendo as pessoas ao invés de simplesmente prestar assistência
  • Cinco Pilares do Desenvolvimento Comunitário Cristão

Parte 5 – Um plano de ação para a cidade

  • Passos para a transformação da cidade (Good Cities Method)
  • Análise prática e in loco acerca do contexto de sua igreja
  • Rascunhos de um sonho transformador

Deus é dono de toda criatividade, autor da melhor história, da qual o fim ainda não aconteceu, mas já estava escrito por intermédio do Verbo. Ele tem se comunicado conosco desde o princípio em diversas formas: através de sua criação Ele mostra sua glória (Salmos 19); por intermédio da sua Palavra Ele nos molda e nos ensina (2Timóteo 3.16-17) e por meio de Seu Filho, releva o Seu amor incondicional (João 3.16).

“Deus é o diretor, roteirista e ator principal.
Essa história não é sobre nós, mas sobre ELE”

O Workshop “Reino, Comunicação & Mídia” aborda formas relevantes e impactantes de comunicarmos a mensagem de Cristo para a atual geração sem comprometer a profundidade e o conteúdo da Palavra de Deus. Diariamente somos inundados com informações de todos os lados e como podemos comunicar Cristo em meio a tanto barulho?

Deus tem se comunicado conosco e nos feito um convite irresistível. Desmistificando a história de que “O convidamos para fazer parte de nossas vidas”, nos revelando que pela graça fomos convidados a fazer parte desse filme onde Deus é o diretor, roteirista e ator principal. Essa história não é sobre nós, mas sobre ELE.

A MAIS está comprometida em levar a Esperança de Cristo ao mundo e hoje presente em mais de 11 países, nossa mensagem já está espalhada em 5 línguas em 4 continentes distintos. Como fruto dessa experiência queremos compartilhar com a igreja brasileira o que aprendemos e como nós, como corpo, podemos impactar nossa sociedade por meio de uma comunicação que exalta os princípios do Reino de Deus.

 

O Workshop MISSÕES PARA TODOS foi o lançado em 2012, e foi nosso primeiro curso ministrado em igrejas. Mais de 60 igrejas em 19 estados já hospedaram este seminário. Numa maratona de 8 horas, o objetivo é ativar a igreja como um todo, no que tange à responsabilidade missionária de todo crente. Nas palavras de Spurgeon, “Todo Cristão, ou é um missionário, ou é um impostor”.

Por onde temos passado, testemunhamos a quebra de mitos comuns, como o de que “Missões é tarefa de pastores e missionários”, ou “Missões só pode ser exercida pelos que vão servir em contexto transcultural”. O engajamento das igrejas passa a ser outro. Vimos várias vocações missionárias de tempo integral brotarem desse curso de impacto. Vimos igrejas reestruturando ou iniciando seus conselhos ou departamentos missionários. Através destas horas de despertamento e ativação, sua igreja vislumbrará um novo horizonte vocacional!

Preencha o formulário e nossa equipe entrará em contato para esclarecer maiores dúvidas. Vamos juntos, pelo avivamento missionário do Brasil!

No que cremos

MAIS não é uma igreja, mas uma organização missionária que trabalha para a igreja e pela igreja. Apesar disso, não abrimos mão de alguns valores bíblico-doutrinários e de alguns padrões de procedimento, os quais sintetizamos em cinco itens.

  1. CREMOS que a Bíblia é a Palavra revelada de Deus, escrita por homens por Ele inspirados. Nossa missão não é cumprida em resposta às necessidades do mundo, mas às Escrituras.
  2. CREMOS que o homem foi criado por Deus para alcançar vida eterna através de Jesus Cristo, que todos pecaram e somente mediante a cruz e a ressurreição, podem ser salvos.
  3. CREMOS na Trindade, a saber, o Pai, o Filho e o Espírito Santo. Este último opera ativa e constantemente no meio de Sua igreja, confirmando e capacitando a vocação missionária do seu povo.
  4. CREMOS que Jesus chamou sua igreja para a realização da obra missionária na Grande Comissão (Mt. 28:18-20; Mc. 16:15). A tarefa missionária foi dada à igreja e não a qualquer organismo ou organização paralela. Como agência missionária, estamos subordinados à igreja de Cristo, a verdadeira detentora dos direitos e deveres referentes à proclamação do Evangelho.
  5. CREMOS que a tarefa missionária deve ser cumprida contextualmente, considerando que Deus ama as culturas. Nossos projetos ocorrem em consonância com a igreja nativa dos países onde Deus nos tem enviado.

 

Visão

Desejamos ver a igreja sofredora tornar-se triunfante em todos os cantos da Terra.

Valores

Estamos comprometidos com a Igreja Sofredora em situações de catástrofe, guerra e perseguição religiosa, buscando o desenvolvimento das comunidades a partir Da igreja local.

Áreas de atuação

Assistência a refugiados

Assistência médica
Capacitação profissional Desenvolvimento comunitário
Discipulado Microcrédito
Ministério com mulheres Ministério infantil
Oportunidades de trabalho Treinamento de líderes

Custos

Um dos nossos desafios é adquirir as moradias e acomodações para os refugiados, além de levantar os recursos necessários para manutenção das instalações. Se você deseja  contribuir nesse projeto, faça sua doação agora mesmo.

Investimento inicial:

Móveis: R$3.000
Aluguel (mensal): R$1.200,00
Água (mensal): R$90,00
Luz (mensal): R$120,00
Alimentação (mensal): R$400,00

(Custo por moradia/pessoa)
Investimento 1º mês: R$4.810,00
Meses seguintes: R$1.810,00

 

BRASIL | Colombo – PR | Sede

A sede da MAIS está localizada em Colombo, no estado do Paraná – Brasil, e funciona como a base de operações da organização. Da sede nacional são coordenadas todas as demais bases e projetos, além da captação de recursos.

Em nossa sede também funciona a base que hospeda nossos obreiros e o Centro de Treinamento Mais (CTMAIS), uma escola de despertamento missiológico e vocacional, que prepara homens e mulheres para servir ao Reino. Também acolhe refugiados que não conseguem permanecer em seus países de origem devido a contextos de guerra ou perseguição religiosa.

De nossa sede nacional, ainda buscamos estar sempre presentes em situações de catástrofes naturais que eventualmente ocorrem em nosso país, como as enchentes de 2010 em Alagoas e Pernambuco e no Rio de Janeiro de 2011 a 2013.

[baselink base=”colombo” texto=”Veja as últimas notícias sobre Colombo.”]

 

Áreas de Atuação

Assistência a refugiados Discipulado

Uganda

A MAIS está presente em Uganda desde 2014 e desde então desenvolve projetos junto a comunidade local, as igrejas e seus líderes. Temos também desenvolvido projetos em campos de refugiados, sempre através de parcerias com as igrejas presentes, apoiando e ajudando a ampliar a ação destes irmãos da Igreja Sofredora. Temos também realizado treinamentos bíblico-teológicos junto aos líderes destas Igrejas, visando o crescimento e fortalecimento de suas comunidades.
Além de nossos projetos locais a MAIS Uganda tem feito ações para apoiar os cristãos em países de perseguição religiosa em nossa região. Nosso intuito é realmente fornecer apoio para que estes irmãos e líderes da Igreja possam permanecer neste contexto tão difícil.

Áreas de Atuação

Assistência a refugiados Assistência médica
Discipulado

 

Sudeste Asiático

Os projetos no Sudeste Asiático têm como base o desenvolvimento comunitário junto aos cristãos locais e à igreja que sofre por causa de sua fé. Além disso, nossa base atua como suporte aos irmãos que buscam refúgio na região, mas que não encontram acolhimento por parte do governo. Nossos missionários atuam junto à igreja local, tendo em sua equipe missionários e obreiros também da igreja local.

[baselink base=”sudeste-asiatico” texto=”Veja as últimas notícias sobre o Sudeste Asiático.”]

 

Áreas de Atuação

Assistência a refugiados Desenvolvimento comunitário
Assistência médica Treinamento de lideres

 

Oriente Médio

Abrimos nossa base no Oriente Médio em agosto de 2014, com o objetivo de fortalecer a igreja que sofre, especialmente, entre os milhares de refugiados sírios e iraquianos que buscam a localidade para fugir das tensões e conflitos na região.

Começamos a desenvolver o programa de microcrédito beneficiando cristãos na região, e também inauguramos uma clínica para atendimento médico-odontológico dos refugiados e comunidade em estado de vulnerabilidade social. Também demos início a um trabalho de visita a campos de refugiados para discipulado e observação das necessidades.

[baselink base=”oriente-medio” texto=”Veja as últimas notícias sobre o Oriente Médio.”]

Áreas de Atuação

Assistência a refugiados Desenvolvimento comunitário
Discipulado

 

Estados Unidos

A MAIS EUA nasceu em 2016 com o objetivo de despertar a igreja americana para a causa da Igreja Sofredora, além de levantar recursos para as outras bases ao redor do mundo.

Áreas de Atuação

Treinamento de líderes

 

Nepal

Nossa base no Nepal funciona em parceria com outras organizações cristãs locais. Nossa equipe está alocada na capital, Katmandu, e realiza incursões periódicas às províncias de Dolakha e Sindhupalchok, que estão entre as mais afetadas pelos terremotos no primeiro semestre de 2015.

Nosso objetivo é desenvolver projetos que visem à recuperação da agricultura de subsistência – principal fonte de renda destas populações. A partir deste trabalho será possível promover meios de geração de renda para os camponeses por meio do comércio e exportação.

[baselink base=”nepal” texto=”Veja as últimas notícias sobre o Nepal.”]

Áreas de Atuação

Microcrédito Discipulado
Treinamento de líderes

 

Itália

A MAIS está na Itália desde o início de 2015, auxiliando no acolhimento a refugiados e caminhando junto à igreja italiana. Trabalha em parceria com o pastor Latif, que acolhe refugiados na Itália desde 2011 e hoje é obreiro e diretor da MAIS Itália.

Nosso objetivo com este trabalho é conscientizar a igreja na região para a realidade da Igreja Sofredora pelo mundo, em especial aquela que chega diariamente.

[baselink base=”italia” texto=”Veja as últimas notícias sobre a Itália.”]

Áreas de Atuação

Assistência a refugiados

 

Haiti

Iniciamos nossos trabalhos no Haiti em resposta ao terremoto ocorrido em janeiro de 2010. Após as ações de socorro emergencial, montamos uma base no país para o planejamento de ações de médio e longo prazos em parceria com as igrejas locais.

Atuamos no país com a oferta da Escola de Desenvolvimento Comunitário, que acontece paralelamente ao programa de microcrédito, que é realizado sobre três pilares: investimento financeiro, envolvimento entre as pessoas por meio da associação e a utilização desta ferramenta pela igreja para desenvolvimento e discipulado da comunidade. A duração do programa é de um ano e meio. Também damos suporte a outros projetos no Haiti, como a Remix Escola de Música e orfanato, entre outras iniciativas pontuais.

[baselink base=”haiti” texto=”Veja as últimas notícias sobre o Haiti.”]

Áreas de Atuação

Desenvolvimento comunitário Microcrédito
Ministério infantil Assistência médica
Treinamento de líderes

 

Guiné Bissau

Atuamos em parceria com a Casa Emanuel, orfanato localizado em Bissau. Nossos missionários têm trabalhado o conceito de família com crianças e adolescentes que, muitas vezes, nunca saíram dos limites do orfanato. Trabalho realizado desde 2015.

[baselink base=”guine-bissau” texto=”Veja as últimas notícias sobre Guiné Bissau.”]

Áreas de Atuação

Microcrédito Ministério infantil
Discipulado

 

Colômbia

Nossa base na Colômbia está em fase de implantação, após um trabalho de sondagem para desenvolvimento de projetos no final de 2014. Executamos, de maneira piloto, o programa de microcrédito com uma família cristã na zona rural, que tem alcançado bons resultados.

Em alguns meses iremos ampliar o programa e começar o treinamento de desenvolvimento comunitário com a igreja local, que sofre com a perseguição em um contexto de guerrilha que já dura décadas, o que faz da Colômbia um dos três países com o maior número de deslocados internos no mundo.

[baselink base=”colombia” texto=”Veja as últimas notícias sobre a Colômbia.”]

 

Áreas de Atuação

Desenvolvimento comunitário Microcrédito
Assistência a refugiados

 

Ásia Central

O trabalho na Ásia Central acontece junto aos cristão que sofrem por conta de um regime autoritário e perseguição religiosa. Nossos missionários têm o desafio de encorajá-los em sua fé, além de trabalhar com projetos de desenvolvimento comunitário que trazem dignidade de volta à comunidade.

[baselink base=”asia-central” texto=”Veja as últimas notícias sobre a Ásia Central.”]

Áreas de Atuação

Capacitação profissional Microcrédito
Discipulado Ministério com mulheres
Treinamento de líderes

 

Sertão

Em 2015, a MAIS chegou em Acauã, no sertão do Piauí, para trabalhar em parceria com organizações que atuam ali. Desde então, vimos sonhos se tornarem realidade, como a Fábrica de Acordes e a Boutique dos Sonhos, que trazem dignidade de volta ao nossos irmãos na região.

[baselink base=”sertao ” texto=”Veja as últimas notícias sobre o Sertão.”]

Áreas de Atuação

Desenvolvimento comunitário Oportunidades de trabalho
Discipulado