• Post category:Devocional

 

Texto para leitura: Gênesis 22:5.

Em Gênesis 22 vemos o relato do momento em que Deus chamou Abrão para sacrificar o filho que havia sido uma promessa de Deus a ele. Sabemos bem que no decorrer da história, o filho foi apenas um meio para que Deus pedisse algo mais importante: Abrão. Se analisarmos toda a trajetória dessa história, compreendemos que desde o começo o plano de Deus era testar Abrão de uma forma bem consciente. Nada do que aconteceu estava alheio ao conhecimento de Abrão. Ele sabia o que tinha que fazer, quando, como e o que isso lhe custaria! Tudo isso é muito interessante e podemos criar vários paralelos com a nossa vida com Deus, mas hoje, gostaria de atentar para uma palavra do versículo 5 que faz toda a diferença nesse texto.

Como sabemos, Deus tinha acabado de pedir para que Abrão sacrificasse Isaque. O que não percebemos é a fala de Abrão quando ele diz ‘’esperai aqui, com o jumento; eu e o rapaz iremos até lá e, havendo adorado, VOLTAREMOS para junto de vós’’. Percebe? Com quem Abrão iria retornar se ele estava subindo para sacrificar Isaque? A primeira coisa que me vem a cabeça depois de ler essa frase, é a de que Abrão tinha convicção de que uma vez cumprindo a vontade de Deus ele não voltaria vazio. O dicionário nos diz que convicção significa ‘’crença ou opinião firme a respeito de algo, com base em provas ou razões íntimas’’. Razões íntimas nos dão convicção. Abrão conhecia a sua fé, sabia em quem ele acreditava e isso fez com que ele respondesse de forma imediata ao chamado de Deus. A intimidade faz com que nos lancemos a firmeza. Agora, se há intimidade, então há relacionamento. E podemos ver isso durante todo o processo, pois, Deus estava em todas as partes. Deus chamou, Deus falou, Deus proveu, Deus cuidou. Deus reconheceu a excelência da fé de Abrão, que não foi expressa por palavras, mas por atos. E, como consequência da obediência de Abrão a promessa estava agora baseada tanto na vontade e no propósito do Senhor, como na obediência de Abrão. Essa obediência prefigurou a ativa obediência de Cristo, que assegurou as bênçãos da aliança para a incontável descendência de Abrão, que depositou sua fé no Deus que dá vida aos mortos.

Incrível, não? Quando temos convicção de quem Deus é, somos levados automaticamente a atender aos pedidos que Ele nos faz. Deus pediu algo precioso para Abrão, o próprio texto repete várias vezes que Isaque era seu ‘’único filho’’, mostrando a relevância e a importância daquilo na vida de Abrão. Entretanto, a sua convicção e seu amor por Deus mostraram que antes de tudo, seu coração pertencia a Deus. Quão maravilhoso e desafiador é estar nessa mesma posição de auto entrega como Abrão estava. Mas, se temos intimidade com Deus, se temos relacionamento, então é inevitável que a gente se lance da mesma forma. A obediência a Deus tem que ser irresistível em nossa vida, a ponto de estarmos prontos para entregar e renunciar toda e qualquer coisa que Ele nos peça. Sabendo que as coisas que Ele pede na verdade, NOS entrega a Ele e é exatamente isso que Ele quer.

Como tem sido a sua caminhada com Deus? Ela é baseada em expectativas ou em convicções? Deus tem sido dono e Senhor do seu coração? Você tem morado nEle ou nas coisas? Minha oração hoje é para que Deus transforme o nosso caráter de tal maneira que não haja mais desculpas em nosso vocabulário. Que Ele nos torne pessoas que se lançam de forma integral no serviço do Reino a ponto de termos convicção de que mesmo entregando tudo, sempre voltaremos cheios, não de coisas, mas dEle. Que Deus nos abençoe nesse processo!

Este post tem 2 comentários

  1. Flávia Banks

    Devocional maravilhosa, Yaaaaaasssss!!! <3
    Beijos, Flávia Banks.

    1. Yasmin

      Fico feliz com a devolutiva, Flávia! Deus abençoe <3

Deixe um comentário